COMPLETO: Camila Cabello entrevistada por Lena Dunham, Lenny Letter

11 jan 2017

Antes da saída de Fifth Harmony, Camila Cabello foi entrevistada por Lena Dunham, em nome do Lenny Letter. A entrevista completa, em primeira mão e em inglês em português traduzido por nossa equipe, você encontra abaixo.

 

Camila Cabello is only nineteen, but she’s already a tried and tested veteran: a member of girl group Fifth Harmony since she was fifteen — having left last month amid much internet fanfare — she can explain the ins and outs of the glittery but fickle pop-music industry like someone much older. It’s this candor about the joys and challenges of her profession (as well as a killer voice and a DGAF attitude) that initially made me a Camila fan, and I was thrilled at the chance to ask her about what keeps her sane, life as a Latina in the public eye during this election year, and the commodification of teen sexuality.

She was wise, open, and giggly, and I found myself listening to her social-media advice like she was my middle-aged therapist. This interview, given a few days before her exit from Fifth Harmony, is evidence that she’s only just begun to tell her story and that what comes next will be on her own terms (and may involve space travel to Planet Sexy).

Lena Dunham: You were thrust very quickly into the world of teen pop, and obviously there are stories of people who’ve been really taken care of in that world, but there are stories of people who’ve really lost their way. What have been the things that have kept you from going off the rails?

Camila Cabello: I think what’s kept me from, like you said, going off the rails, is my mom. I have my mom with me all the time. I literally don’t think I could function without her. She’s been through so much in her life that’s real shit. She came from Cuba. My family came from places where a lot of people didn’t have food to eat. Whenever there’s stuff here, little stuff that could make you angry or makes you forget that we have so much to be grateful for just having hot water, my mom makes sure to remind me of what’s important. I’m so happy to have her around. I really don’t think I could do it without her.

LD: That’s amazing. Speaking of your mom, she is Cuban. I want to ask about being a Latina in the music industry. Although there is diversity, you’re online and you deal with the craziness of trolls and the kind of inherent racism that comes with living in America right now. I wondered if you ever feel that? How do you feel strong and connected to your identity when we’re living in such a strange time with so much hateful rhetoric around difference?

CC: The best decision that I’ve taken in my career thus far has been this year I’ve just stayed away from social media. I don’t go on it, and I just keep myself focused on getting better and growing as an artist and finding different ways to grow as a person. It’s just kept me grounded, and I don’t have 1,000 people thinking that they didn’t like my shoes. Even though I know that there’s way more support than there is hate, I don’t have that in my head. That was one thing.

Anyway, as far as the Latina thing, I feel like this has kind of been a crazy year for us because of everything that happened with the election. I didn’t even realize how much racism was still prominent in our country. I live in Miami, and there’s so many cultures there. I remember going to school, and 99 percent of the students there, their parents didn’t have English as their first language. I don’t come from a place where that’s even a thing, you know what I mean? There’s Cubans, there’s Puerto Ricans, there’s Haitians. It’s a melting pot. Just like I imagine New York is. If you’re a racist living in Miami, you got to move because you’re going to be seeing your worst nightmare everywhere.

I saw so many videos and so many Latino anchors from news that I watch interviewing people that just hated us and thought that we were inferior. It made me realize, Whoa, this is really still happening. I feel like in a way that’s just kind of made me prouder of my roots. To be honest with you, I didn’t think that I would be as politically outspoken as I was this year about the election. I know that it’s a really personal decision, voting.

LD: This is the first year you could vote, right?

CC: Yeah, this is the first year I could vote. All of the things that were being spoken about hit so close to home, to me being an immigrant and being a Latina, that I just felt a responsibility to stick up for my people and my culture. Just seeing all of the debates and me and my family around talking. Seeing all of the passion in their eyes because they’re the people being spoken about. Now and forevermore, I’m going to stick up for immigrants and I’m going to stick up for Hispanic people and their rights. I feel like that’s just my job.

LD: That’s really beautiful. Speaking of using your voice, there’s a lot of pressure on young women to present themselves as full-time sex symbols. I wonder how you balance being who you are with the demand of putting forth an image of constant young, free, excited sexuality? Have you ever had to push back against something that someone was asking you to do?

CC: Oh my God. Yeah, definitely. Especially with being a girl group, there’s been a lot of times where people have tried to sexualize us to just get more attention. Unfortunately, sex sells. There’s definitely been times where there’s stuff that I have not been comfortable with and I’ve had to put my foot down. There’s nothing wrong with showing sexuality. If you have that inside, it’s just an expression of who you are. If you want to share that with people, that’s amazing. I love that. Look at Rihanna. She’s so sexy. She comes from Planet Sexy. I worship her. I really, really do.

I definitely think being a young girl, there’s a time where — like when you’re in middle school or when you first start liking boys — you don’t really feel comfortable. You remember that time when you first got your period, or when your boobs started coming in, that you were like, This is weird. You have to grow into yourself. I feel like it’s been tricky because we’ve had to grow into ourselves while being in front of the world and while making songs that did have a lot of sexual undertones.

LD: Like the song that my partner Jack wrote for you, “Dope.” It’s beautiful, and your voice sounds beautiful on it, but it’s definitely about a sexual infatuation, and that is what people want to hear from young women if they’re sort of given the choice.

CC: Totally. I’ve realized that growing into myself now, I think two years ago I would’ve been afraid to sing about that. That’s completely natural because I wasn’t ready yet. I think the thing that I would say to young women is, if you’re not ready for it, put your foot down.

This interview has been condensed and edited.

E a tradução:

Camila Cabello tem apenas dezenove anos, mas já é uma veterana experiente: membro da girl group Fifth Harmony desde que tinha 15 anos – tendo saído no mês passado em meio a muita fanfarra da internet – ela pode explicar os prós e contras da cheia de glitter mas inconstante Indústria pop musical como alguém muito mais velho. É esta sinceridade sobre as alegrias e desafios de sua profissão (bem como uma voz incrível e uma atitude que não se importa) que inicialmente me fez um fã de Camila, e fiquei emocionada com a oportunidade de perguntar sobre o que mantém sua vida saudável, sobre a vida como Latina no olho público durante este ano eleitoral, e a mercantilização da sexualidade adolescente.

Ela foi sábia, aberta e risonha, e me vi ouvindo seus conselhos de rede social como se ela fosse minha terapeuta de meia-idade. Esta entrevista, dada alguns dias antes de sua saída da Fifth Harmony, é prova de que ela está apenas começando a contar sua história e que o que vem em seguida será em seus próprios termos (e pode envolver viagens espaciais para o Planeta Sexy).

Lena Dunham: Você foi colocada muito rápido no mundo teen pop, e obviamente tem histórias de pessoas que cuidam muito bem desse mundo, mas tem histórias de pessoas que se perderam no caminho. Quais foram as coisas que te impediram de sair dos trilhos?

Camila Cabello: Eu acho que o que me manteve de sair dos trilhos, como você falou, foi a minha mãe. Eu tenho a minha mãe o tempo todo. Eu literalmente não sei como eu poderia funcionar sem ela. Ela tem passado por tanta coisa na vida dela. Ela veio de Cuba. Minha família veio de lugares onde muitas pessoas não tinham comida. Sempre que tem alguma coisa aqui, pequenas coisas que te deixam irritado ou que te fazem esquecer que tem tanta coisa para serem gratos, por apenas ter água quente, minha mãe me faz lembrar do que é importante. Sou muito feliz por tê-la por perto. Eu realmente não acho que conseguiria fazer isso sem ela.

LD: Isso e incrível. Falando na sua mãe, ela é cubana. Eu quero te perguntar sobre ser uma Latina na indústria musical. Mesmo que tenha diversidade, você está online e você lida com a doideira de trolls e o racismo hereditário que vem junto com viver na América agora. Imagino se você já sentiu isso? Como você se sente forte e conectada com sua identidade quando estamos vivendo em tempos tão estranhos e com tanto ódio retórico por volta da diferença?

CC: A melhor decisão que eu tomei em minha carreira até agora foi que esse ano eu fiquei longe de redes sociais. Eu não entro lá, e apenas me mantenho focada em ficar melhor e crescer como um artista e encontrar maneiras diferentes de crescer como uma pessoa. Isso me manteve no chão, e eu não tenho mil pessoas pensando que não gostavam de meus sapatos. Mesmo que eu saiba que há muito mais apoio do que ódio, não tenho isso na minha cabeça. Isso foi uma coisa.

Enfim, no que diz respeito à coisa Latina, sinto que tem sido um ano louco para nós por causa de tudo o que aconteceu com a eleição. Nem percebi o quanto o racismo ainda era importante em nosso país. Eu moro em Miami, e há tantas culturas lá. Lembro-me de ir para a escola, e 99 por cento dos alunos lá, seus pais não tinham inglês como sua primeira língua. Eu não venho de um lugar onde isso é mesmo uma coisa, sabe o que eu quero dizer? Há cubanos, há porto-riquenhos, há haitianos. É um caldeirão. Assim como eu imagino que Nova York é. Se você é um racista vivendo em Miami, você tem que se mudar porque vai estar vendo o seu pior pesadelo em todos os lugares.

Eu vi tantos vídeos e tantas âncoras latinas de notícias que eu assisto entrevistando pessoas que apenas nos odiavam e pensavam que éramos inferiores. Isso me fez perceber, whoa, isso ainda está acontecendo. Sinto como que, de alguma maneira, isso apenas me deixou mais orgulhosa das minhas raízes. Para ser honesta com você, não achei que eu seria tão politicamente franca como fui este ano sobre a eleição. Sei que é uma decisão muito pessoal, votar.

LD: Esse foi o primeiro ano que você pode votar, certo?

CC: Sim, este foi o primeiro ano em que eu pude votar. Todas as coisas que estavam sendo faladas chegaram tão perto de casa, eu sendo uma imigrante e uma Latina, que senti uma responsabilidade de defender meu povo e minha cultura. Só vendo todos os debates e eu e minha família conversando. Vendo toda a paixão em seus olhos porque eles são as pessoas que estão sendo faladas. Agora e para sempre, eu vou defender os imigrantes e defender os hispânicos e seus direitos. Sinto que esse é o meu trabalho.

LD: Isso é muito bonito. Falando em usar sua voz, há muita pressão sobre as mulheres jovens para se apresentarem como símbolos sexuais de tempo integral. Me pergunto como você equilibra ser quem você é com a demanda de colocar uma imagem constante de jovem, animada, livre, animada sexualidade? Você já teve que lutar contra algo que alguém estava perguntando você para fazer?

CC: Meu Deus. Sim, definitivamente. Principalmente por ser parte de uma girl group, muitas vezes as pessoas tentavam nos sexualizar só para chamar mais a atenção. Infelizmente, sexo vende. Definitivamente há vezes em que não me senti confortável com essas coisas e tive que bater o pé. Não há nada de errado em mostrar sexualidade. Se tem isso dentro de si, é só uma expressão de quem você é. Se quer compartilhar isso com as pessoas, é incrível. Eu adoro isso. Olha a Rihanna. Ela é tão sexy. Ela veio do Planeta Sexy. Eu a venero. De verdade.

Eu definitivamente acho que, sendo uma jovem menina, há um momento em que – como quando você está no ensino médio ou quando você começa a gostar de meninos – você realmente não se sente confortável. Você se lembra daquela época em que teve sua primeira menstruação, ou quando seus peitos começaram a crescer, que você ficava tipo, Isto é estranho. Você tem que crescer em si mesma. Sinto que foi complicado porque tivemos que crescer em frente ao mundo e fazendo músicas que continham muitas insinuações sexuais.

LD: Como a música que meu parceiro Jack escreveu para vocês, “Dope”. É linda, e sua voz soa linda nela, mas é definitivamente sobre uma paixão sexual, e é isso que as pessoas querem ouvir de mulheres jovens se elas se lhe forem dadas escolhas.

CC: Totalmente. Eu percebi isso quando cresci, acho que dois anos atrás eu teria medo de cantar sobre isso. Isso é completamente natural porque eu não estava pronta ainda. Acho que meu conselho para as mulheres jovens é, se você não está pronta, bata o pé.

Essa entrevista foi condensada e editada.

Comments

comments

COMENTÁRIOS