Nesta segunda-feira (20) as redes sociais da revista FAULT anunciaram Camila Cabello como capa da nova edição da revista, que inclui um photoshoot e entrevista exclusiva focada na nova carreira solo de Camila.

Confira as fotos na nossa galeria e a tradução abaixo.

001.jpg   002.jpg   003.jpg

Apesar de ainda estar em sua infância, a carreira solo de Camila Cabello já foi bem, de forma injusta, envolvida em rumores acerca de sua escolha de se separar de seu antigo grupo, Fifth Harmony. Desde o dia em que Camila anunciou sua saída, muita especulação e alegações venenosas voaram através das ondas de rádio sem nenhum comentário de nenhuma das partes. Aparentemente, a narrativa de cinco mulheres brigando provou ser mais interessante do que a de respeitar as escolhas de carreira uma da outra. No entanto, Camila move-se graciosamente através de tentativa de esboço de negatividade para o centro das atenções e para a nossa capa. Com um Ama, VMA e outros inúmeros prêmios como parte do Fifth Harmony e raramente mencionados créditos de co composição para artistas aclamados como Machine Gun Kelly e Shawn Mendes, o céu é o limite para Camila Cabello. Com isso em mente, sentamo-nos para descobrir mais sobre as pressões e prazeres da carreira sozinha.

 

Oi Camila, qual tem sido a parte mais assustadora na transição para artista solo?

Acho que a parte mais assustadora é deixar um projeto bem-sucedido para perseguir um novo sonho com um caminho cheio de dúvidas de autodescobrimento que só você pode responder. Mas mesmo quando me sinto tão grata pela oportunidade de ser parte do meu antigo grupo, expressar-me como artista tornou-se uma necessidade.

Você sente muita pressão para conseguir tudo perfeito?

Sempre senti pressão para conseguir tudo perfeito, e nunca cheguei lá, mas acho que é isso que me mantém crescendo, e me deixa frustrada comigo mesma e também tentando. Acho que se você fica confortável e pensa “Uau, é isso. Eu descobri.”, você para de tentar e de crescer.

O que fãs devem esperar ouvir da sua nova música?

Eles vão sentir quem sou. Vão ganhar um pedaço grande do meu coração, minhas experiências, minhas fantasias e tudo no meio.

O que você tem preparado musicalmente para 2017?

Vamos fazer uma turnê mundial pelo resto do ano.

Se pudesse descrever o som em 3 palavras, quais seriam?

Não tenho como resumir em três palavras, mas será eu em forma de som.

Parece que você tem trabalhado sem parar pelos últimos 5 anos, onde encontrou tempo para se preparar para sua carreira solo nesse tempo?

Sempre estive compondo, não necessariamente para mim mesma, mas simplesmente porque eu queria muito ser uma compositora. Acho que, à medida que eu compunha, encontrei minha própria voz como artista e como pessoa, e estou descobrindo mais sobre isso a cada dia.

Qual tem sido a melhor parte da jornada solo até agora?

Trabalhar com vários compositores e produtores talentosos e seguir minha própria visão musical. Amo a habilidade de criar algo a partir de nada.

Você é uma artista jovem e é uma indústria dura, qual é o seu “lugar feliz” quando as coisas se tornam demais?

Minha família e filmes.

Se pudesse dar qualquer conselho para sua versão jovem, qual seria?

Tudo tem que acontecer da forma que vai acontecer para que outras coisas possam correr. E, também, não seja tão dura consigo mesma.

Há muita pressão sobre artistas jovens (mulheres principalmente) a serem forçados pela mídia para agirem de certa forma ou coagidos para se vestirem de certa maneira. Qual é uma coisa pela qual você nunca pediria desculpas?

Acho que é importante tomar suas próprias decisões sobre o que parece certo e seguir sua voz interior. Nunca se comprometa se não parece certo.

Qual o melhor conselho que já te deram?

Tudo é temporário e a vida tem suas próprias estações. Assim como flores não florescem o tempo todo, há momentos de tristeza e felicidade, luta e alegria, e ser humano significa sentir tudo isso, até nas horas ruins, para que você seja tão mais grato pelos bons tempos quando chegarem.

Quais são seus planos para o resto de 2017?

Espero lançar minhas primeiras músicas antes do verão [americano] e seguir a partir daí e espero ter um álbum no outono [americano].

Qual é a sua CULPA [título da revista]?

Pensar demais, preocupar-me com coisas que podem estar fora do meu controle e não estar presente. Às vezes sou muito dura comigo mesma e fico frustrada com como fico sensível e emocionada, mas estou aprendendo a me amar um pouquinho mais enquanto estou triste ou insegura, e temos que amar todas as partes da nossa humanidade, porque elas não estão aqui para nos machucar, e sim para que possamos nos entender um pouco melhor.

Deixe seu comentário

  1. DANNUZYA GOMES TORRESResponder

    Muito sensata. Espero que tudo funcione como precisa! 😁😁

  2. Tainah Guimarães Batista SoaresResponder

    Gostei muito do site